FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES
WJDW

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A MODELO SOMALI WARIS DIRIE LUTA CONTRA A MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA

WARIS DIRIE




Ex-modelo internacional, a somali Waris Dirie alerta sobre a Mutilação Genital Feminina - prática comum em vários países africanos, além de parte do Oriente e da Europa - em que meninas são cortadas como pré-requisito para arrumarem casamento. A ideia absurda é de que, com a mutilação, seus desejos sexuais fiquem reduzidos, assim como a possibilidade de adultério. Tudo em nome da falsa segurança machista em relação à fidelidade da esposa e à castidade da noiva.

Ela é uma mulher negra que venceu na vida como profissional em uma carreira pra lá de disputada. Ex-modelo internacional de muito prestígio, Waris Dirie, porém, traz uma certa tristeza no olhar, tristeza essa atrelada ao seu país de origem, a Somália, ao seu povo e costumes. Aos cinco anos de idade, ela e duas irmãs (que não sobreviveram) foram submetidas a umas das maiores crueldades ainda praticadas em vários lugares do mundo em nome das tradições e crenças dos ancestrais: a Mutilação Genital Feminina, remoção ou costura dos lábios vaginais ou clitóris para a diminuição do prazer sexual. Muitos povos consideram a circuncisão feminina como um ato para manter a 'pureza' de uma jovem até o casamento.

Muitos homens recusam-se a casar com uma mulher que não tenha passado pelo "ritual", podendo alegar que a mesma é impura para o matrimonio ou até mesmo mais propensa a traí-lo. Para piorar a situação, tais 'operações' são feitas sem a menor condição de higiene, com objetos cortantes como facas, pedaços de vidros, lâminas, troncos de árvores e espinhos que, muitas vezes, são usados em várias meninas diferentes (com idades entre 3 a 15 anos ) sem nenhuma esterilização. As consequências são infecções graves que, se não levam à morte, provocam danos à saúde e levam a mulher à infertilidade, sem contar o dano psicológico. "Muitas dessas mulheres fazem tratamento psicológico pelo resto da vida", afirmou Waris, em recente visita ao Brasil.

Modelo de luta

Nascida em 1965, na Somália, Waris Dirie teve uma trajetória atribulada: aos cinco anos, passou pela estúpida mutilação; aos treze, foi obrigada pelo pai a se casar com um homem de 60 anos. A então menina, com a ideia de liberdade correndo nas veias, fugiu. Cruzou a pé o deserto da Somália, enfrentando animais selvagens e areias escaldantes por 500 quilômetros até chegar à capital, Mogadíscio. Voltar para casa ela não poderia, pois na certa seria punida e escravizada pelo próprio pai. Saiu do país em busca de alguma oportunidade de sustento e, principalmente, para gritar ao mundo mais tarde a crueldade que acontecia naturalmente na Somália. Em uma dessas oportunidades, foi descoberta por um fotógrafo inglês quando trabalhava em uma rede de lanchonetes.

Ela tinha 18 anos. A partir daí, sucessso, fama e dinheiro passaram a fazer parte da vida de Waris. "Mas posso te contar um segredo? Por tudo que vivi e sofri, não pense que eu gosto de ficar em hotéis 5 estrelas. Sou de família simples e gosto de gente, de me comunicar, de ser realmente livre", diz a ex-modelo, hoje embaixadora da ONU para o combate à mutilação genital feminina e fundadora da ONG Waris Dirie Foundation que, desde 2002, luta para erradicar de vez essa prática do mundo. "Fico feliz em saber que com os trabalhos de divulgação e alerta, 16 países na África já aprovaram a proibição desse costume", comemora. Autora de vários livros, sua biografia, Flor do Deserto ganhou as telonas. Lançado na Alemanha no final de 2009, o filme deve chegar aos cinemas brasileiros no primeiro semestre de 2011.

Em nome do pai

Estima-se que 140 milhões de mulheres tenham sido submetidas à Mutilação Genital Feminina em várias partes do mundo, tudo em nome da "tradição". A África lidera esse triste ranking. No continente negro mais de 20 países usam dessa prática para limitar o prazer feminino. Mas essa prática sem sentido não é feita apenas em nome de crenças, como conta Waris Dirie: Pelas muitas frentes de combate, a Mutilação Genital Feminina é uma prática condenada em todo o mundo.

Mas por que tal brutalidade ainda é tão praticada?

Uma das razões é que virou uma forma de comércio. Os pais vendem suas filhas em troca de dinheiro. É ele, na maioria das vezes, que ordena que sua menina seja mutilada. Elas são trocadas por dinheiro ou qualquer outra coisa do interesse paterno.

O problema, então, vai além do fator cultural?

Sim, a pobreza faz com que ele aconteça. É um problema terrível e acredito que se nos livrarmos da pobreza, da miséria, nos livramos também da Mutilação Genital Feminina.


Depois que você saiu da Somália e se tornou uma top model de sucesso, qual o seu grande objetivo?

Eu quero poder dormir e acordar livre para voar, sinto que estou só começando a luta. Quero poder abrir os olhos e ver homens, mulheres e crianças sendo respeitadas pelo que são e pelo que buscam. Descobri que faço parte do coro de mulheres que dizem NÃO quando o assunto é a violência.

Acredita que está conseguindo?

Estou aqui para falar da minha dor e do meu sofrimento, mas também para falar do resultado. Muitos acreditam que a mulitilação é certa, principalmente mães e avós. Elas acreditam que se suas filhas não forem cortadas nunca arranjarão um marido. É um absurdo! Não podemos permitir que tais costumes venham aterrorizar as nossas filhas. Percebo que meu sofrimento mudou a minha família, o meu bairro está mudando, consequentemente, o meu país, a Somália. O mundo em que vivemos também mudará. Eu tendo a oportunidade de dizer não à violência, eu direi, em qualquer lugar, em qualquer idioma. E quando não mais conseguir falar vou mostrar. Estou dando a minha parcela para tais mudanças.

Fonte : Revista Raça

27 comentários:

  1. Se elas não forem cortadas não arranjarão um marido? Um marido que quer uma mulher cortada? Um marido que fará isso com sua futura filha? Por que elas querem um marido desse pra filha, pelo amor de Deus?
    Será que não daria pra investir então numa fonte de renda alternativa pra essas mulheres não ficarem limitadas a ter o casamento como única fonte de sobrevivência à fome?

    ResponderExcluir
  2. Recentemente vi o filme e li o livro, ontem pra ser mais exata, achei muito interessante. Fikei horrorizada quando descobri q em paises tao abertos e com acesso a informaçao como o Egito esse tipo d coisa ainda acontece, somente a cerca d 5 anos atras lá começaram campanhas em prol do fim dessa barbarie. Mas se engana quem pensa q os homens tbm nao pagam sua pena, eles tbm sofrem com a falta d interesse sexual d suas esposas,somente os estupradores natos sentem prazer em violentar uma mulher todas as noites, para homens normais ter q fazer isso tbm é uma especie d "castigo", obvio q muito pekeno se comparado com o sofriemnto dessas mulheres, elas passam a vida condenadas a nao terem prazer, eles tbm, imagino a frustaçao de um homem cuja a esposa é "cortada" e na cama se comporte como uma boneca inflavel ou esteja sempre relutante, vendo ele que no mundo ocidental as mulheres sao "calorosas" com seus maridos... enfim, acho infelizmente esse tipo de pratica ainda está longe de ser erradicada, uma mudanaça cultural demora varias geraçoes para ser feita, as familais naum fazem isso com suas mulheres por que são más, mas pq realemnte acreditam q isso é bom pra elas, a gente q tá d fora consegue enxergar a questao do dinheiro, da promessa d fidelidade e tal e tal mas eles naum, eles realmente acreditam q é assim, q sempre foi assim e q onde naum é assim é q ta errado.

    ResponderExcluir
  3. Mutilar filhas é para pessoas sem sentimentos,sem valores éticos.Que horror..
    Fiquei horrorizada quando li sobre isso...Que coisa inútil ..e ainda tem gente que pratica isso ainda.Quem garante que tirando prazer sexual de alguem vai fazer essa pessoa ser pura e fiel?Isso é ignorancia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está enganada, esta prática tem a ver com valores éticos sim, pois é uma tradição em certos grupos étnicos. A questão é que em que medida esta prática é realmente eficaz, pois destrói um direito tão precioso, sem contar a dor e o risco que estas meninas e mulheres estão correndo.
      Neste caso a informação é tudo, por isso é necessário estudar, analisar e refletir sobre. Desenvolver uma consciência crítica entre os líderes destes países que praticam MGF e lutar contra!

      Excluir
  4. Pois é, mas em países como esses como você pode achar que existem valores éticos como os daqui? O que são valores éticos? Eles têm um padrão??
    São culturas diferentes, com valores diferentes!! Por favor, não sejam tão ignorantes a ponto de pensar que em todo o mundo as pessoas são iguais, ou ao menos se vêem como iguais e com mesmos direitos.
    Óbvio é aterrorizante para quem viveu longe disso, mas para muitos dos que convivem a vida toda em um ambiente assim é super normal!
    É doloroso saber, mas se fosse pra ser realmente mudado, as maiores potências já teriam tomado providências imediatas.
    Não se iludam com o fato de que a fome e miséria está por ser combatida, porque as grandes corporações capitalistas precisam de pessoas desse jeito para que eles possam amontoar suas riquezas.

    Mas torçamos por justiça, e no que pudermos, levemos esperança à essas pessoas.

    ResponderExcluir
  5. Como a onu não se preocupa com isso , teria que ter leis universais para este tipo de viloencia ,contra mulher!!! lei para ser respeitados por todos no mundo

    ResponderExcluir
  6. Assisti o filme, e achei excelente visto que mostrou paisagem e cultura da Somália e região, conflitos culturais, superação e luta pela dignidade da mulher. Podemos perceber que nem sempre temos que aceitar o que nos é imposto através da cultura e/ou religião, devemos sim, ter a sanidade para discernir o que é certo e ir em busca de seus ideais.

    ResponderExcluir
  7. Me chamo Andrea e sou graduanda do curso de Arquivologia na UFSC. Estamos neste semestre tendo a disciplina de ética profissional, e graças ao professor pudemos assistir o filme. O tema a ser a discutido após é claro foi a quetão ética, onde aparecia em várias cenas, mas a que me chamou a atenção foi a cena em que o enfermeiro é chamado apra traduzir o que o médico fala, no entanto ele traduz a sua maneira recriminando Waris, deixando sua ética profissional de lado, se agarrando somente a questão absurda da cultura marchista do seu país.

    ResponderExcluir
  8. Ha dois dias tive a oportunidade de ver o filme e fquei super aterorizada com o que ví, felismente no meu pais(moçambique) nunca ouvi falar de tal pratica,mas imagino ador dos povos (raparigas) que sofrem com tal ritual e é por isso que venho dizer em alta voz "Não a Violencia contra as mulheres"

    ResponderExcluir
  9. vi ao filme flor do deserto e fiquei muito comovida com a historia toda pode ter certeza que vc é muita abençoada por deus e sua força de ter passado por tudo isso e a prova que deus e mair que tudo e vc é aprova disso ...............então vamos todos lutar contra a violencia a mulher

    ResponderExcluir
  10. VI O FILME E NUNCA IMAGINEI QUE EXISTISSE UMA CRUELDADE DESSA NO MUNDO. PARABÉNS POR LUTAR CONTRA ISSO WARIS QUE VOCÊ CONSIGA ACABAR DE VEZ COM ESSE SOFRIMENTO.

    ResponderExcluir
  11. Também assisti o filme,e chorei muito,fiquei muito triste.Tem que acabar com isso urgentemente.Isso é um absurdo tal crueldade.
    Não acredito como pode ter alguém que faça isso,quem inventou isso me diz,que porcaria nossa que mente terrivél e cruel nada a ver isso acontecer e aceitarem isso e achar normal.

    ResponderExcluir
  12. karol vi o filme achei linda a tragetoria de vida dessa mulher fascinante como uma pessoa com tao pouca cultura ter a coragem que ela teva apesar de todo sofrimento venceu na vida sem duvida o mundo deveria existir pessoas assim
    com toda minha adimiraçao sou mulher mae de dois filhos e jamais permitiria algo assim

    ResponderExcluir
  13. Assisti ao filme hj, já tinha ouvido falar sobre a Waris e sobre a mutilação genital feminina, mas o modo direto com que foi tratado o assunto no filme é realmente duro demais.. é mto sofrimento. Eu sei q a cultura deles é diferente da nossa, mas o que devia prevalecer é o amor pois mãe nenhuma quer ver uma filha sua sofrendo e achar que isso é normal..acho que esse é o caminho que deve ser seguido a fim de se conscientizar esses povos q ainda realizam essa prática, pois a tradição fala mais alto, mas o amor deve prevalecer....

    ResponderExcluir
  14. Nos anos 70, estive na Arabia Saudita. E cheguei a presenciar mulheres, sendo apedrejadas. E homens sendo decapitados em plena praça, pelo crime de um amor proibido...uma barbaridade! Vi colegas de trabalho, serem enviados dee volta ao Brasil, por fotografarem as mulheres.(isto tem que acabar, vai fundo Waris!)

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus, que absurdo. Ainda bem que cada vez mais e mais pessoas se movimentam em pról de um bem para o conjunto. Parabens Waris.

    ResponderExcluir
  16. Assisti ao filme ontem e não me contive em lágrimas, a que ponto pode chegar a ignorância do ser humano ?tenho uma filha de 3 anos e não quero que ela venha a ser vitima em uma sociedade que não respeita os direitos das mulheres .Sou cristão e sei que não posso ficar de braços cruzados.Como posso ajudar?Como posso militar nesta causa e outras que se refere aos direitos das mulheres?
    Por favor entre em contato:leandronagah@hotmail.com
    Não posso mais ficar parado amo a Deus e devo fazer a sua obra.

    ResponderExcluir
  17. Assiste o filme ontem, e não acreditei que isto pudesse acontecer nos dias de hoje...Lutadora Waris, você é uma guerreira e não deixe que a sua luz interior se apague, você tem que continuar com a luta, para que outras mulheres não sofram o que você sofreu...Te admiro !!!!

    ResponderExcluir
  18. porque eles não cortam os pintos dos homens,tambem resolveria o problema da preocupação da traição se é esse o problema da cultura deles.

    ResponderExcluir
  19. Gel -Rio de janeiro: Assisti ao filme ontem, 22.09.2012. Fiquei chocada. São mulheres como Waris que me dão orgulho de ser mulher.

    ResponderExcluir
  20. gente assisti ao filme e fiquei horrorizada como podem fazer essas coisa e acharem q estão fazendo o bem para suas filhas,nossa cheguei a ficar enojada com esses 'pais q causam tanto mau a suas filhas com custumes tão imbecies.

    ResponderExcluir
  21. assisti o filme. difiçil acreditar que uma coisa assim tao,monstruosa ,ainda acontese de verdde nos dias de hoje seja la em que pais for.

    ResponderExcluir
  22. A mutilação das mulheres traduz uma sociedade igualmente mutilada em seus valores. A miséria, que é a geratriz da ignorância e da violência, também é a causadora dessa hedionda prática! Porém o mais estarrecedor é saber que isso já poderia ter sido erradicado do mundo se os países ricos se dignassem a olhar os países pobres com menos desdém. Com alguma ajuda humanitária para auxiliar esses povos, resgatando a dignidade humana, esse rito bestial deixaria por completo de fazer sentido para eles. O mal só prospera onde o bem se omite.

    ResponderExcluir
  23. Acabei de assistir o filme FLOR DO DESERTO, corrí p internet p/ saber sobre a ex-modelo Somali Waris. Realmente é desesperador saber que em pleno século 21 ainda exista prática dessa natureza. Estou perplexo a única coisa que eu posso escrever no momento é dar os parabéns à essa tão incrível pessoa Somali Waris. Antonio Pereira 09/10/2012

    ResponderExcluir
  24. Que mulher espetacular,graças ao seu sofrimento tornou-se corajosa e muito decidida.
    Mulher abençoada.
    Bjs,
    Denise

    ResponderExcluir
  25. A partir de hoje quero dar minha contribuicao , convidando mulheres e homens a orar e jejuar comigo para que Deus continue dando forsas [desculpe o s nao achei o ce cedilha] para Waris e influencia a ela ou outras pessoas com poder de mudar essa cituacao , eu sou mae de uma menina de dois anos e ao assistir esse filme fiquei chocada , ja tem tres dias que nao conssigo parar de chorar por essas meninas tao inocentes que nem sabe o que esta acontecendo . Meu Deus tem misericordia dessas criancas tao inocente , pagando pela maldade humana . Tu es um Deus de amor , muda essa situacao em nome de Jesus . Converte o coracao dos pais as filhas desses paises .... ........................... OREM COMIGO POR FAVOR PRA QUE NENHUMA MENINA MAIS SOFRA . VAMOS FASER UMA CORRENTE DE ORACAO PRA QUE DEUS CONSIGA MUDAR TUDO ISSO . OBRIGADA E DESDE JA DEUS TE ABENCOE EM NOME DE JESUS .

    ResponderExcluir
  26. alerta sobre a Mutilação Genital Feminina - prática comum em vários países africanos, além de parte do Oriente e da Europa - em que meninas são cortadas como pré-requisito para arrumarem casamento um absurdo
    isto tem que acabar !

    ResponderExcluir